@->- Não te amo mais



Não te amo mais
Superei as minhas vontades
De pertencer a ti por toda a eternidade
Não quero o teu amor
E já não me alimento mais de quimeras inocentes
Teu beijo ardente...
Teu abraço quente...
Teus encantos, magias e seduções...
Dê a outra ou tantas tolas iguais a mim
A minha mente está vazia...
O oceano de beijos perdeu-se
Mudou-se para rumo ignorado
Minha cama não será o teu abrigo.
Tua voz... esqueci totalmente
Das minhas estranhas (tua morada)
Nada restou
Sabe aquele frio na espinha?
Cedeu lugar à vontade de seguir sem olhar para trás
As borboletas no estômago denunciando
de alguma forma a tua presença
Morreram todas.

...



Sinceramente, AMOR?
Tudo mentira.
Você é a minha razão de contemplar as estrelas.
AMO-TE!!!

-Dora Vitoriosa-

Um comentário:

terradaspalmeiras disse...

Bem escreveu o Outro “O poeta é um fingidor”. Isto vejo em ti através deste poema. Um grito de socorro emana no silêncio agonizante de alguém que anseia por viver um amor que existe só no mundo das ideias e em razão disso o transforma em palavras que de certa forma também o materializa.